A B C D E F
G H I J K L M 

Total read books on site:
more than 10 000

You can read its for free!


Text on one page: Few Medium Many
(This file was
produced from images generously made available by National
Library of Portugal (Biblioteca Nacional de Portugal).)






*Nota de editor:* Devido quantidade de erros tipogrficos
existentes neste texto, foram tomadas vrias decises quanto
verso final. Em caso de dvida, a grafia foi mantida de acordo com
o original. No final deste livro encontrar a lista de erros
corrigidos.

Rita Farinha (Nov. 2009)



Maria Amalia Vaz de Carvalho


PELO MUNDO FRA


LISBOA
Livraria de Antonio Maria Pereira--editor
_50, 52--Rua Augusta--52, 54_
1896




PELO MUNDO FRA




Maria Amalia Vaz de Carvalho


PELO MUNDO FRA


LISBOA
Livraria de Antonio Maria Pereira--editor
_50, 52--Rua Augusta--52, 54_
1896




LISBOA
Typographia e Stereotypia Moderna
_II--Apostolos--II_
1896




I


No ha de certo ninguem, por pouco imaginativo e pouco phantasista que
seja, que no tenha architectado um complicadissimo e alegre sonho
dando-lhe por base o _prazer das viagens_. Aos homens o interesse de
visitar cousas novas, de experimentar sensaes mais vivas, que os
attrahe e chama; s mulheres o amor do desconhecido que lhes irrita a
insaciavel curiosidade.

Imaginamos todos que a ventura est justamente... onde ns no estamos.
E que seria facil conquistal-a, indo em demanda d'ella um pouco longe,
em um logar d'onde ella nos sorri, d'onde ella nos acena, cariciosa...
traioeira.

Eu cedi tambem estranha, irresistivel suggesto. Fui-me por esse
mundo fra em busca do pomo d'ouro, que tantas vezes se parece com
aquelle fructo colhido em terras da Palestina--mimo e velludo por fra,
cinzas escuras no interior.

Era bem natural que, para mim to profundamente modelada pelo espirito
da Frana, o primeiro objectivo fosse a terra onde a civilisao
franco-latina se resume em synthese deslumbradora.

Chamava-me Paris. E Paris no era, j se v, a cidade luxuosa e alegre
do _boulevard_, a cidade da permanente festa, do prazer que se elabora
de todos os requintes de uma decadencia, da phrenetica aspirao ao gozo
material da vida.

Paris era a terra sagrada d'onde brotra para a especie humana a
primeira scentelha da Liberdade.

Paris era a patria, pelo menos moral--d'aquelles espiritos de que a
minha alma colhra, n'um vago extase fecundante, a flr maravilhosa e
inspiradora.

Todos os que eu intellectualmente mais amra tinham ido alli receber a
consagrao suprema da gloria ou da desgraa, s vezes de ambas ellas.

Eram, no grande seculo classico, Pascal, Racine e Molire; eram, na
soberba Renascena franceza, Rabelais e Montaigne; eram depois, n'esse
seculo XVIII hoje to calumniado, mas sempre to grande, e que to
indomitas energias acordara na alma do homem, Rousseau com a sua morbida
sensibilidade de ambicioso e de revoltado, que ns hoje comprehendemos
to bem; era Voltaire, a s ironia hoje desdenhada, mas que to benefica
aco exerceu na treva do espirito humano; era Diderot, o profundo
precursor de todas as modernas theorias criticas, o homem que no seu
tempo moveu maior numero de idas novas e suggestivas; era a pleiade
formidavel e fascinante da Revoluo, a que na minha mocidade me dera
sensaes de to absoluto assombro, a que, desde Turgot e Mirabeau at
Robespierre, refizera em novos moldes o mundo moral e o mundo politico;
era, na cumiada mais alta e mais luminosa da montanha da Historia, essa
grande figura immortal, o Alexandre do seculo XIX, o heroe de Homero, o
phrenetico conquistador, que empobreceu talvez a Frana, que dizimou as
populaes e crucificou as mes e as noivas, que sangrou do seu melhor
sangue as naes e as raas, mas que imprimiu na sua patria o cunho
epico, inapagavel, inolvidavel, com que ella ainda hoje espanta e
assombra o espirito dos estrangeiros! Parece dos tempos lendarios e de
hontem esse homem soberbo e fatal--em cujo olhar profundo ha
reverberaes do Olympo, e cuja fronte pensativa fez parar embevecidos,
silenciosos, os mais impassiveis e os mais frivolos--cuja figura ns
topamos a cada passo na Capital do Mundo.

Modernamente, quantos outros me chamavam, ainda mais queridos ao meu
corao, ainda mais intimamente e estreitamente identificados com todas
as recordaes mais doces da minha vida intellectual... Era Michelet, o
poderoso encanto allucinante; era Balzac, a vida intensa que pullula em
creaes immortaes; era Renan, a graa emballadora, ondeante e morbida,
que anesthesia e faz sonhar; e Taine, o vigor soberbo da ida servido
por um temperamento possante de artista e de poeta, um Spinosa que
tivesse o pincel do Veronez para traduzir as vises do seu pensamento
altissimo; era Musset, o divino; era Sand, e Sainte Beuve, e Hugo, e
Lamartine: e cada um me attrahia por um lado ou por muitos lados da sua
sensibilidade e do seu genio, e cada um me dizia a palavra magica que
faz parar, suspenso, embevecido, um espirito de poeta e de artista,
humilde embora...

Eram mais, eram muitos mais, todos lidos, todos decorados com
enternecimento e apaixonado enlevo. Eram os que eu sempre amei desde que
abri os olhos d'alma, e a quem devo os prazeres mais ardentes, mais
refinados ou mais subtis da minha vida interior.

Todos alli me chamavam--cro de mortos que eu tinha a louca illuso de
encontrar ainda. Parecia-me que o sorriso aberto e expansivo do pae
Dumas havia de accentuar-se sympathicamente ao encarar com o meu
assombro extatico; que a voz mordente de Voltaire se amolleceria para
acolher em mim a mais fervente enthusiasta do espirito francez; que
Beaumarchais me contaria, entre risonho e caustico, uma nova travessura
de _Figaro_, uma nova paixo de _Cherubin_; que Molire, descendo do seu
pedestal marmoreo, me diria ao ouvido uma d'aquellas profundas reflexes
satyricas que elle no poupra s _bas-bleus_ do seu tempo!

Para mim confundiam-se n'um cahos allucinante as pocas, os seculos, os
periodos historicos.

O meu humilde espirito colhra apaixonadamente scentelhas soltas de
todos esses espiritos; a minha memoria guardava reverente, em relicario
precioso, perfumes vagos de todas essas essencias raras! Amara-os tanto!
Sonhara-os tanto! O scenario onde elles se tinham movido interessava-me
to profundamente!

Oh! Balzac ia decerto contar-me a historia, para elle _real_, das suas
elegantes e pallidas heroinas; elle que era forte e bom, compadecido da
minha pequenez, no duvidaria apresentar-me a esse mundo mais humano,
mais verdadeiro que o outro em que tanto vontade sabia mover-se.

A viscondessa de Beauseant, a espirituosa e aristocratica rainha do
_faubourg_, aquella que amra tanto um portuguez, e que tivera no seu
abandono uma dignidade to gentil e uma attitude de to romanesco
encanto, ao vr-me patrocinada pelo seu grande artista, far-me-hia o que
fez a Eugenio de Rastignac: proteger-me-hia, introduzir-me-hia,
carinhosa e maternal, no circulo estreito, exclusivo, selecto onde
viviam as suas eguaes.

Ento, n'este ponto do meu sonho galopante, mais rapido que o trem que
me levava, mais vertiginoso que o scenario mudavel que me envolvia, eu
deixava o mundo da realidade sempre limitado, sempre condicional e
sempre estreito, por outro amplissimo, fascinador e deslumbrante.

A multido prestigiosa das figuras de Balzac cercava-me n'uma especie de
circulo encantado. Todo o sortilegio poderoso com que esse grande
artista--o Napoleo da litteratura--actuou sobre o nosso tempo, descia
sobre o meu cerebro, excitava-o, estimulava-o perigosamente.

Todos os meus gostos de observadora achavam alli a sua satisfao plena.
Esquecia, n'esse mundo de to frisante _realidade_, de to intensa vida,
tudo que o mundo actual tem de nauseante e de triste...

De resto, Nucigen, o formidavel banqueiro da _Comedia humana_, bem
mais assustador que Reinach e que todos os judeus modernos da Columna da
Bolsa; Vautrin tem um porte pico de criminoso que deixa a perder de
vista Cornelio Herz, ou Arton; de Marsay, esse personagem que de
Balzac como Hamlet de Shakespeare, como Tartufo de Molire, como D.
Juan de Byron, um politico, um diplomata, um perverso das altas
cumiadas sociaes, bem superior a Rouvier, a Clemenceau, aos pobres
pygmeus da terceira Republica; Lousteau, Claude Vignon, Emilio Blondet,
Nathan, os principes do jornalismo, os grandes criticos e os
manipuladores de _successos_ ou de derrotas litterarias, no podem
realmente comparar-se ao sr. Mayer, ao sr. Magnard, ao proprio sr.
Rochefort.

E que pleiade encantadora de artistas e de sabios! Que lindas figuras
luminosas de pintores, de esculptores, de romancistas, de pensadores!
D'Arthez! Joseph Bridau! Camille Maupin! Leon Giraud! Fulgence Ridal!

Em Miguel Christien transparece a integridade rigida, a consciencia
admiravel, a fogosa independencia de Armand Carrel; em D'Arthez a bella
alma, a vida modesta e simples, a magnificencia intellectual de um
Berryer...

E todos desfilavam ante os meus olhos offuscados, os cinzeladores da
palavra, os manejadores soberbos ou do escalpello que abre as entranhas
humanas para extrahir d'ellas o segredo da vida, ou do pincel que rasga
janellas de luz para o azul, para o Ideal! Os mestres da sciencia e da
arte, os grandes typos que constituiram essa sociedade imaginaria da
obra de Balzac, reflexo idealisado da outra que elle frequentava e
conheceu tambem.

Ao p d'esse agrupamento sublime de figuras que o genio creou, e que
illuminam o talento, a gloria, a ambio ou a desventura, que ora se
contorcem como os personagens que Miguel Angelo pintou nos seus frescos
soberbos, sob o influxo de uma dr tremenda, ora sorriem olympicamente,
como os retratos do Ticiano, surge uma legio adoravel de mulheres, em
quem a graa indefinivel da parisiense se allia ao eterno mysterio da
poesia feminina, mulheres que se vestem como duquezas modernas, e
sorriem, enygmaticas e suggestivas, como a Monna Lisa, eternamente
indecifravel, do pintor florentino.

Mulheres que sabem _ouvir_, que sabem comprehender, e julgar, e
consolar, e amar; mulheres que, sendo perversas, teem o encanto
diabolico da princeza de Cadignan e de Mme.



Pages: | 1 | | 2 | | 3 | | 4 | | 5 | | 6 | | 7 | | 8 | | 9 | | 10 | | 11 | | 12 | | 13 | | 14 | | 15 | | 16 | | 17 | | 18 | | 19 | | 20 | | 21 | | 22 | | 23 | | 24 | | 25 | | 26 | | 27 | | Next |

N O P Q R S T
U V W X Y Z 

Your last read book:

You dont read books at this site.